Pequenas luzes, simplicidade

Este blogue é destinado a pessoas que gostam de pensar sem as limitações impostas pelos modismos e pelas instituições sejam quais forem; que conseguem rir de si mesmas e de tudo, sem sentir culpa; que conseguem olhar além do próprio umbigo.
============================
Este não é um blogue acadêmico, nem jornalístico, não é um blogue temático e não é politicamente correto (modismo idiota americano)! Este blogue pretende ser um espaço de idéias sem a formalidade acadêmica, livre, de conteúdo variado, sem nenhum compromisso temático, ideológico, partidário, étnico, religioso, essas bobagens todas. Ou seja, é politicamente pentelho! e cheio de contradições! como eu! Quem espera respostas prontas e uma enxurrada de racionalidade, que vá ler Kant!
===========================

9 de mar de 2013

Artimanhas do Inimigo

cizâniaSatanás é um sujeito muito esperto, que se sente todo poderoso (ou, na verdade, pretendia ser!) cuja tarefa é tentar para depois acusar. Claro que esse sujeito age com a permissão de Deus. O Livro de Jó nos mostra isso, de forma bem clara!

A grande arma de Satanás é explorar facilmente os pontos fracos de alguém para atacar esses flancos. É um bom estrategista, sem duvida.

Já de cara, o mito da Queda nos mostra a maneira sutil de sua forma de agir: tenta o ser humano com o Poder (ser igual a Deus), aliás, motivo que provocou sua própria expulsão da Corte Celeste. Tendo sido seduzido pelo poder, ele tenta seduzir com a sugestão do poder… (cf. Genesis 3.1-6 e a sequência).

Interessante é que um dos nomes que o identifica é Lúcifer, algo como “Iluminado”, “Grande Luz”! Mas trata-se de uma luz que não ilumina, antes, ela cega! Ao invés de iluminar caminhos, ela cega e não permite que se veja por onde se caminha, e assim acaba-se no abismo da dor e do sofrimento.

O Pai da Mentira age de forma sutil, não tão explicitamente como no mito da Queda, escrito exatamente de forma simples para que possa ser compreendido como uma advertência e um aviso de cuidado.

O Diabo (que significa “aquele que quebra, que rompe que des-une”) lança sua luz ofuscante exatamente sobre as nossas fraquezas, inseguranças, temores e sempre nos ataca em momentos de grande fragilidade.  Cria-nos a vontade obsessiva de manter tudo sob total controle de nós mesmos. Não se trata de inspirar precauções, atitudes de prevenção, mas de nos fazer acreditar, ou melhor, desejar, que tenhamos total e absoluto controle sobre tudo em nossa vida, fazendo-nos acreditar que assim diminuiremos nossas inseguranças e fraquezas. Leva-nos a agir como se tivéssemos o poder de controlar tudo e impedir que algo de “mal” nos aconteça, ou melhor, algo aconteça sem a nossa vontade e permissão! O problema da Tentação é que a Luz Diabólica nos faz perder a perspectiva da Graça e da nossa dependência do Amor Supremo. Porque a Tentação vem daquele que é o Egoísmo Supremo, que inspira o Orgulho Exacerbado e a ilusão de ter-se todo o poder. Passamos a querer controlar tudo e todos para que se cumpra sempre a nossa vontade, inspirada pelas nossas frustrações.

O grande prazer do Diabo é provocar mal estar nas relações humanas. É capaz de transformar coisas ínfimas em um enorme problema, abalando nossa segurança e confiança na direção de Deus. E quanto mais uma pessoa tenta servir a Deus, mais o Diabo a tenta.

Uma das maneiras do Diabo agir contra a Igreja de Cristo é promovendo a cizânia, inspirando “joguinhos de poder”, “estrelismo”, ciumeira, disputas sem sentido; tudo para atrapalhar o senso de solidariedade e cooperação que deveria marcar a vida do Povo de Deus.

Aliás, esse é o ponto fraco de qualquer instituição humana, e a Igreja é também uma instituição humana, por isso é falível dessas tentações: as pessoas são falíveis e por isso as instituições também o são.

Na verdade, o Diabo é um bitolado. Usa da mesma armadilha para atrapalhar qualquer iniciativa humana, qualquer forma de organização humana, seja a Igreja, seja o Estado, seja até a família ou a vida conjugal.

Semeando desconfianças, suspeitas, vaidades pessoais e aproveitando-se das nossas fragilidades o Diabo tenta alcançar seu grande objetivo que é desarticular a ação das pessoas em direção ao Reino de Deus, semeando um clima de permanente desconfiança e suspeita, que vai crescendo à medida que algumas pessoas se deixam levar pelas tentações, como um efeito dominó. Aproveitando-se da fraqueza de cada pessoa, o efeito dominó vai levando tudo ao mal-estar, à cizânia, e aos sentimentos de raiva, ira até chegar ao ódio.  Pequenas atitudes, gestos, são sempre mal interpretados e se transformam em problemas enormes que cada vez mais incentivam as posturas de auto-defesa.

Com isso cria-se o afastamento, as pessoas passam a ter receio de expor o que pensam, ou mesmo de tomar iniciativas, ficando todas na defensiva.

Disse acima que a ação do Diabo é permitida por Deus! Será que Deus deseja se divertir às nossas custas? Não! Ele permite a tentação para exatamente nos mostrar nossa força: “Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam(Tiago 1.12). Até porque Ele não nos permite uma tentação, ou uma provação maior que a Graça oferecida para superá-la: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar(I Coríntios 10.13).

Assim, quanto mais forte for o ataque do Safado, mais forte é a Graça que o Senhor da Vida nos oferece! Ser fortemente tentado é um bom sinal! Sinal que você está caminhando bem na Estrada do Reino, e por isso o Inimigo precisa criar problemas, para paralisar você!

A única maneira de se vencer o Diabo é resistir a ele. São Tiago de Jerusalém nos diz isso: ”Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.” (Tiago 4.7). O Diabo é, na verdade um fraquinho: não suporta a resistência, reage sempre como cachorro acuado, aumenta seu ataque, mas a resistência o vence.

Como resistir? submetendo-se a Deus! Submeter-se a Deus é uma maneira de olhar a vida sem aspirar o controle de tudo. Reconhecer que dependemos de Deus sem que isso nos tolha a liberdade de pensar e agir. Manter a permanente certeza de que a Graça de Deus nos é dada sempre, e que o Senhor cuida dos Seus.  Ter clareza de que o Diabo nos tenta de muitas formas e quanto mais queremos servir a Deus, mais ele vai atacar, por isso, estar atento e sempre colocar-se diante de Deus em oração de súplica e ao mesmo tempo de ação de graças, de gratidão.

E, principalmente, manter-se firme na caminhada que é iluminada pela Luz de Deus, através de Sua Palavra recebida desde nossos ancestrais na Fé, e da intimidade com Sua Palavra Encarnada, o Senhor Jesus, o Cristo.

Não podemos controlar tudo, e reconhecer isso é a primeira maneira de resistir ao Diabo. A segunda maneira é ter autocrítica, reconhecer nossos pontos fracos, nossas fragilidades para perceber quando ele nos ataca. A terceira maneira é sempre buscar agir nas nossas relações procurando ver no outro o próximo (aquele que nos ajuda –veja meu comentário sobre o Bom Samaritano).

Resistindo ao Diabo podemos ser construtores da Paz, agindo em solidariedade e renunciando à primazia de nossa vontade.

Que Deus nos ajude:

       “Ó Deus, que sabes quão frágeis somos, guarda-nos a nós, teus servos e servas, defendendo exteriormente nossos corpos de toda a adversidade e purificando interiormente nossas almas de todo mal pensamento; por Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina contigo e com o Espírito Santo, um só Deus , agora e sempre. Amém.”                        (Coleta para o 3º Domingo da Quaresma – LOC p. 118)

===/===